Passo a passo para criação de um projeto usando técnicas de storytelling

Passo a passo para criação de um projeto usando técnicas de storytelling

Os contadores de histórias são tão antigos quanto as histórias em si — e isso data desde antes do desenvolvimento da linguagem.

De alguns milênios para cá, muita coisa mudou. Em especial, as estratégias para impactar os interlocutores. A narrativa que contém uma história é uma poderosa ferramenta para compartilhar conhecimento e, por isso, saber como impactar o seu público-alvo é fundamental.

É com base nessa perspectiva que vamos esclarecer, neste artigo, como usar as técnicas de storytelling para se comunicar e encantar a sua audiência. Confira!

Passo 1: Defina o Universo da sua História

Uma boa aplicação do storytelling inicia na identificação das oportunidades para contar as melhores histórias. E, com base no plano de comunicação, essa estratégia é elaborada com primazia.

Assim, é possível descobrir quais tipos de histórias e formatos você pode e deseja contar — seja em vídeo, imagens, texto ou multimídia. Uma decisão que passa, invariavelmente, pelo perfil do seu público-alvo.

Se o consumidor está mais habituado a consumir conteúdos em vídeo, por exemplo, usar técnicas de storytelling para um podcast pode não ser a melhor estratégia.

Mas antes do formato, é importante você definir qual é o “tema central” que vai direcionar toda a sua história. E este tema só é possível ser desenhado ao conhecermos os desejos da audiência. O que ela quer? O que está em risco para ela? O que ela pode perder se não consumir seu produto? O que é mais importante na vida dela agora? Quem ela precisa como aliado para enfrentar os perrengues da sua vida?

Por isso, o primeiro passo consiste na definição do que você deseja contar, para quem deseja contar e como vai contar essa história. Assim, você define qual é o Universo em que sua audiência vai interagir. Quanto mais específico melhor. Este é o momento em que, ao contrário do que muitos pensam, você define as “limitações criativas” para depois, dentro dos limites, não ter limites!

Em uma espécie de receita de bolo a ser seguida, basta usar o conceito de lead jornalístico, em que o primeiro parágrafo deve responder às seguintes questões:

  • o que você pretende trasmitir em sua mensagem?
  • com quem você está dialogando?
  • por que você está dizendo aquilo?
  • onde se passa a sua história?
  • qual é o tempo dessa ambientação. Ou seja: quando?
  • como você vai falar isso?

Tenha isso anotado, em um papel, e vá preenchendo cada uma das questões para ter a estrutura de seu storytelling definida.

Passo 2: Faça um brainstorming

Como um complemento à ideia anterior, é importante expandir as ideias. E isso pode funcionar perfeitamente quando existem perspectivas diferentes.

O brainstorming é uma excelente alternativa nesse sentido. Essa enxurrada de possibilidades traz esclarecimentos fundamentais com base nos conceitos definidos inicialmente. Mas cuidado, pois a tendência numa reunião de brainstorming é que o seu lado crítico e realista se manifeste. E nesta etapa toda ideia é candidata e nenhuma é finalista.

Ao final do processo, aí sim, as melhores ideias devem ser avaliadas e você deve utilizar o processo contrário de definir as “limitações criativas” que te conduzirá ao próximo passo, onde o universo da história já será desenhado.

Passo 3: Ambiente a sua história

Com o objetivo e a plataforma de transmissão definidos, é hora de dar vida a esse conteúdo. Para tal, como funciona tanto em construções simples quanto complexas, alguns princípios básicos ajudam na execução, como:

Planejamento da trama

Defina sobre quem será a história e sobre o que ela será. Lembrando que toda boa história é sobre alguém que quer algo mas ainda não conseguiu.

É hora de colocar as ideias em uma ordem lógica. Afinal, o storytelling visa estruturar uma narrativa de alto impacto no público. Organizá-las é determinante para que você tenha uma visão ampla de tudo aquilo que se espera com aquela história. Assim como em uma trama, torne sua história uma relação de mensagens “costuradas”.

Para isso, evolua a história de maneira descritiva, com todos os detalhes, e crie um começo, meio e fim para ela. E o mais importante: saber o que incluir e o que excluir. A arte de uma boa história está nas renúncias que você faz em prol de um roteiro bem “editado”.

Execução

Uma boa maneira de reunir os pedaços de sua história, trazendo objetividade e coerência à trajetória, é por meio da fórmula conhecida como a Jornada do Herói. Ele ajuda a dar significado ao abrangente “começo, meio e fim” que todos falam mas poucos sabem o que é.

O conceito, popularizado pelo antropólogo Joseph Campbell, consiste em elencar 12 etapas que se interligam, ajudando na composição de um início, meio e fim ao seu storytelling. Este infográfico ajuda a ilustrar melhor toda a técnica;

Vale dizer que essa não é a única maneira de contar uma história. Ela é uma das fórmulas muito utilizadas (seja na literatura, teatro, cinema, apresentações e na publicidade, entre outras mídias) para aplicar as técnicas de storytelling.

Compartilhamento e a mensuração de resultados

Assim que o planejamento estiver finalizado e a história ganhar forma, é hora de colocar a sua criação à prova.

E, aí, entra uma das etapas mais conclusivas de sua estratégia: a recepção do público. Para isso, é importante avaliar todos os aspectos buscados com a produção. E isso vale tanto para o seu conceito informativo quanto o apelo emocional da história.

É importante observar tudo relacionado ao conteúdo: desde os cliques no artigo, vídeo ou postagem ao engajamento dos usuários (compartilhamentos, curtidas e comentários).

Isso finaliza o ciclo produtivo envolvendo as técnicas de storytelling. Para reforçar, vamos recapitular rapidamente as etapas em tópicos, logo abaixo:

  • defina o seu objetivo e alinhe-o ao perfil do público;
  • reúna ideias, discuta-as e dê forma à história;
  • organize o que ficou definido e transforme as ideias em uma estrutura que equilibre o racional e o emocional;
  • crie a história por meio da execução da técnica mais conveniente para os seus objetivos;
  • divulgue a sua história;
  • mensure os resultados.

Seguindo essas etapas, as técnicas de storytelling podem ser utilizadas de maneira cada vez mais natural em seus próximos projetos.

Trata-se, portanto, de um exercício que você desenvolve gradativamente suas capacidades, ajudando a contar histórias memoráveis.

Use técnicas de storytelling para contar histórias envolventes

E então, o que achou desse resumo que fizemos a respeito da construção de um storytelling? Esperamos que as nossas dicas possam ajudar na elaboração e desenvolvimento de histórias cativantes para o seu público.

Agora, para complementar o que vimos sobre técnicas de storytelling, convidamos você a baixar gratuitamente o nosso e-book Apresentações Também Morrem: um guia prático para deixar as suas apresentações sempre memoráveis!

Sem comentários

Cancelar